Escreva para pesquisar

perguntas e respostas Tempo de leitura: 9 minutos

Destaque para a Conexão Pessoas-Planeta: Dra. Joan Castro, PFPI


A Dra. Joan L. Castro, MD, não é apenas uma profissional médica, mas uma líder visionária com a missão de transformar a saúde pública nas Filipinas e em outros lugares. Como Vice-Presidente Executiva da PATH Foundation Philippines Inc., uma organização conhecida pela sua dedicação ao avanço da igualdade e inovação na saúde, o seu percurso é uma prova do seu compromisso em melhorar o acesso aos cuidados de saúde e o bem-estar da comunidade.

Seu papel na PATH Foundation Philippines Inc. é simplesmente transformador. Como Vice-Presidente Executiva, ela demonstrou consistentemente uma liderança excepcional, um profundo compromisso com a missão da organização e uma visão para um futuro mais saudável. A experiência e a defesa do Dr. Castro têm sido fundamentais para impulsionar iniciativas destinadas a melhorar a acessibilidade e a qualidade dos cuidados de saúde. 

O Dr. Castro tem defendido soluções de saúde para enfrentar os desafios urgentes de saúde nas Filipinas, especialmente aqueles que afetam as populações carentes. As suas abordagens inovadoras e esforços colaborativos trouxeram mudanças positivas significativas, garantindo que a missão da organização ressoa com as necessidades das comunidades que serve. As suas estratégias inovadoras e esforços colaborativos fizeram uma diferença significativa na saúde materno-infantil, na prevenção de doenças, na educação para a saúde e no envolvimento comunitário. 

Ela não é apenas uma profissional de saúde, mas também uma figura inspiradora que motiva outras pessoas a aderirem à busca por sociedades mais saudáveis. Sua dedicação à missão da PATH Foundation Philippines Inc. serve como uma luz orientadora, inspirando outros a trabalharem coletivamente para mudanças significativas. A sua visão, experiência e compromisso inabalável continuam a preparar o caminho para comunidades mais saudáveis e promissoras nas Filipinas e noutros locais. Entrevistamos a Dra. Joan L. Castro, MD como uma líder transformadora e profissional de saúde dedicada a remodelar a saúde pública. Aqui está a transcrição da discussão da entrevista:

Você pode se apresentar brevemente, incluindo seu cargo e organização?

Joan Castro: Sou médico de profissão e atualmente ocupo o cargo de vice-presidente executivo da PATH Foundation Philippines Incorporated (PFPI). A PFPI é uma organização sediada nas Filipinas que começou inicialmente como afiliada do Programa para Tecnologia Apropriada em Saúde em 1992. Nessa altura, concentrámo-nos na implementação de um programa de 10 anos para o VIH/SIDA. Em 2004, nos tornamos uma organização independente e desde então temos implementado nossos próprios programas. A nossa missão na PFPI é melhorar a saúde, aliviar a pobreza e promover o desenvolvimento ambientalmente sustentável. Implementamos programas dentro e entre setores, como a iniciativa pioneira de gestão integrada da população e dos recursos costeiros nas Filipinas.

Woman conservation farmer walking through ankle-deep water carrying plants in the Philippines.
Agricultora conservacionista atravessa águas que chegam até os tornozelos carregando plantas conservacionistas nas Filipinas.

O que orientou você e a sua organização para esta abordagem intersectorial à saúde, ao ambiente e ao desenvolvimento?

Começámos como uma organização que implementou programas de saúde, em particular o Projecto de Vigilância e Educação sobre a SIDA, para prevenir e controlar o VIH/SIDA durante 10 anos. E então examinamos outros problemas básicos. Foram feitas perguntas como quais são os problemas sociais e económicos enfrentados pelas populações com quem trabalhamos, homens que fazem sexo com homens e profissionais do sexo, por exemplo? E o que está acontecendo com as mudanças decorrentes da migração do meio rural de onde vieram as populações? Quais são as dificuldades com a diminuição das fontes de rendimento das quais dependem para alimentação e subsistência? Em busca de uma vida melhor, eles vêm para a cidade. Encontrámo-los em programas que trabalharam na educação e prevenção do VIH/SIDA nas principais cidades.

Foi assim que transitámos da implementação sectorial de projectos sectoriais, como programas de saúde, para a integração de sectores, através de uma análise mais profunda dos factores subjacentes. Conseguimos abordar outras questões além do VIH/SIDA, do planeamento familiar e da saúde reprodutiva, tais como iniciativas de gestão de recursos costeiros em áreas particularmente ricas em biodiversidade.

Sendo uma organização sem fins lucrativos 5013c registada nos EUA, fazia parte de uma iniciativa de desenvolvimento de capacidades e mecanismos que tínhamos como afiliado da PATH. O estatuto de organização sem fins lucrativos permitiu que agências de financiamento privadas, como a Fundação Packard e outras organizações, apoiassem o nosso trabalho integrado.

No que diz respeito ao trabalho intersectorial, estamos actualmente a implementar uma iniciativa de gestão das pescas que nos permite aplicar a abordagem de saúde e ambiente da população (PHE) sempre que possível. Conseguimos alargar a nossa rede e alargar a nossa base de financiamento, o que nos permitiu trabalhar tanto no sector da saúde como na área de gestão de recursos costeiros. A nossa iniciativa de gestão das pescas está no seu sexto ano. Temos um escopo estendido por mais alguns anos para alcançar outras áreas. Você deve ter ouvido falar que o vice-presidente dos Estados Unidos veio às Filipinas em novembro passado. O site que ela visitou era um dos nossos sites! Como trabalhamos com mulheres, organizamos uma oportunidade para ela visitar e conversar com as mulheres pescadoras que faziam o trabalho de pesca e vendiam o peixe seco. Foi uma experiência especial.

Você tem formação em saúde. Você é médico. Você pode dizer mais sobre como suas próprias paixões, aprendizados e visão de seu trabalho se expandiram para incluir o meio ambiente e as áreas de conservação? O que foi influente para você?

Meu curso pré-médico foi em biologia, o que me proporcionou uma base em recursos naturais. Minha carreira médica começou como Oficial Médico em um hospital e, mais tarde, mudei meu foco para HIV e AIDS, especializando-me em saúde pública. Essa mudança me permitiu ver a saúde de uma perspectiva diferente. A saúde pública examina factores mais amplos que podem prevenir e controlar doenças, especialmente entre as populações marginalizadas. Ofereceu um tipo diferente de satisfação, pois enfatizou a abordagem dos fatores subjacentes que contribuem para a saúde e o bem-estar. Esta abordagem holística atraiu-me e levou-me a explorar outros setores além da medicina clínica.

Quando surgiu a oportunidade de integrar setores, no início dos anos 2000, eu estava bem preparado para contribuir. Percebi que a saúde das pessoas e dos ecossistemas está interligada. A abordagem PHE, que utilizamos nas nossas iniciativas comunitárias e de pesca, mitiga as ameaças à biodiversidade e aborda a insegurança alimentar, levando à melhoria da saúde e nutrição da comunidade. Também abordamos questões relacionadas com o género, trabalhando com mulheres nas áreas da saúde, planeamento familiar e saúde sexual e reprodutiva.

A minha formação na área da saúde permitiu-me oferecer valor acrescentado em setores como a pesca e a conservação. Por exemplo, publicámos recentemente um artigo que examina o valor mais amplo dos recursos marinhos no Mar Ocidental das Filipinas, bem como a segurança alimentar e nutricional. A abordagem de EPS proporciona uma perspectiva ampla e abrangente que faz sentido lógico e conceitual. Espero que mais pessoas comecem a aplicá-lo, uma vez que se alinha com a interligação da saúde e do ambiente.

Você pode falar sobre a importância da parceria no seu trabalho e descrever como é o processo de trabalho com parceiros?

O sistema de governação nas Filipinas é descentralizado, envolvendo trabalho tanto a nível nacional como subnacional, e uma parte considerável deste trabalho requer parcerias com entidades governamentais, o sector privado e OSC. A PFPI tem colaborado consistentemente com instituições governamentais locais, com unidades governamentais locais servindo como unidade básica de governação no país. Nosso envolvimento envolve trabalhar com liderança local. Como organização, reconhecemos que a nossa presença não é de longo prazo, mas sim de curto período. Por isso, priorizamos a sustentabilidade desde a fase de planejamento do nosso trabalho e sempre buscamos a apropriação local das iniciativas introduzidas. É aqui que entram em jogo as parcerias a nível comunitário. Colaboramos estreitamente com unidades governamentais locais, OSC e partes interessadas relevantes, melhorando as suas capacidades – tanto técnicas como operacionais – para tarefas como avaliação, planeamento, implementação e monitorização.

Uma abordagem semelhante aplica-se às nossas parcerias com organizações populares, tais como organizações de pescadores, jovens e organizações de mulheres. Baseamo-nos nas estruturas comunitárias existentes, um aspecto crucial para alcançar o empoderamento da comunidade e sustentar os ganhos das nossas parcerias.

Ao implementar nossos programas, estabelecer confiança na comunidade é extremamente valioso. Nos casos em que somos novos em alguma área, iniciamos parcerias com organizações nas quais a comunidade já confia e conhece. Estas parcerias permitiram-nos influenciar eficazmente as políticas através do trabalho de advocacia, especialmente junto das unidades governamentais locais, criando um ambiente propício à mudança de comportamento entre indivíduos e comunidades.

Também colaboramos com diversos setores. Por exemplo, no nosso trabalho de conservação costeira e marinha, estabelecemos parcerias e aproveitamos contribuições de agências nacionais que já estão activas nas comunidades. Dado que o financiamento é muitas vezes insuficiente para resolver questões profundamente enraizadas, reconhecemos o papel crítico que as parcerias e a colaboração desempenham. É uma constatação clara para os implementadores de programas que as parcerias proporcionam vantagens em termos de consolidação e sinergia de esforços, independentemente de os programas serem de curto ou longo prazo, ou de o financiamento ser substancial ou limitado. O alinhamento com a visão da liderança local é outro componente vital. É evidente que todos partilham o objectivo de aliviar a pobreza, melhorar o bem-estar e melhorar os sistemas para proporcionar a todos os membros da comunidade acesso aos serviços ecossistémicos que um recurso natural saudável pode oferecer. Esta visão partilhada facilita a colaboração, uma vez que todas as partes interessadas contribuem para os mesmos objectivos e aspirações das comunidades e famílias.

Normalmente abordamos o bem-estar ao nível do agregado familiar como a unidade básica da parceria, juntamente com os indivíduos. Por exemplo, quando trabalhamos com mulheres, ouvimo-las frequentemente expressarem o desejo de que os seus parceiros e maridos tenham oportunidades semelhantes de subsistência, quando oferecidas. Os agregados familiares são unidades muito unidas e, quando trabalham com jovens, muitas vezes influenciam os pais para que alterem os seus comportamentos ou forneçam apoio para manter mudanças positivas. Trabalhar com os agregados familiares é inevitável porque a dinâmica da estrutura familiar, dos relacionamentos e das redes desempenha um papel crucial. Ao chegarmos às famílias, também nos conectamos com redes mais amplas de jovens e mulheres.

Uma lição importante que aprendi ao trabalhar em vários setores é que certos princípios básicos são universalmente aplicáveis. A abordagem de educação pelos pares que se revelou eficaz no nosso programa de VIH/SIDA também produz resultados positivos em programas de conservação. A educação pelos pares capitaliza as redes existentes dentro de cada unidade familiar. Nos nossos programas, consideramos estruturas formais e informais e trabalhamos com sistemas governamentais existentes para promover a sustentabilidade e influenciar mudanças políticas. À medida que implementamos os nossos programas, pretendemos melhorar as estruturas com novas tecnologias e aprendizagem. Os nossos programas servem essencialmente como catalisadores das aspirações dos governos e das famílias. Eles capacitam as instituições, famílias e indivíduos existentes para operarem de forma independente, equipados com conhecimento, tecnologia e ferramentas fornecidas através do apoio a projectos e contribuições de doadores. Esta abordagem resulta numa situação ganha-ganha para todos os envolvidos.

Woman conservation farmer in ankle-deep water planting conservation plants.
Mulher com água até os tornozelos plantando plantas de conservação nas Filipinas.

Quais são alguns dos desafios mais significativos que você enfrentou em seu trabalho em programas integrados de saúde e meio ambiente e como a PFPI abordou esses desafios?

A minha resposta a este desafio não é única; gira em torno da questão dos sistemas de financiamento e programação limitados. O desafio reside em influenciar os processos de pensamento, planeamento e orçamentação para considerar as ligações conceptuais entre sectores. Isto estende-se às estratégias operacionais para a integração eficaz dos sectores. A abordagem População, Saúde e Meio Ambiente (PHE) opera na intersecção entre ciência e arte. Aproveitamos todas as oportunidades disponíveis para integrar programas, planos e políticas.

Outro grande desafio é construir e manter uma comunidade de prática para a EPS, bem como nutrir defensores em vários sectores. Esta abordagem intergeracional é essencial para aproveitar os pontos fortes dos diferentes setores e aproveitar o conhecimento existente, adquirindo ao mesmo tempo novos conhecimentos.

Um desafio significativo na integração dos sectores é a necessidade de combinar abordagens baseadas em evidências com medidas práticas que reflitam o modo de vida da comunidade. Esta fusão de ciência e arte é vital para uma implementação eficaz.

No que diz respeito ao trabalho inovador no domínio da saúde e ambiente integrados, destaca-se um projecto no âmbito do Programa USAID FISH Right. Apoiámos mulheres numa comunidade indígena na gestão de uma espécie específica de bivalves e do seu habitat. Normalmente, a gestão de áreas marinhas protegidas é dominada por homens,

e quando as mulheres estão envolvidas, os seus papéis giram frequentemente em torno de tarefas de secretariado nos comités. No entanto, a nossa análise de género revelou que as contribuições das mulheres para o sector das pescas são muitas vezes ocultas, apesar de desempenharem papéis fundamentais, como a secagem e venda de peixe e a gestão de actividades quando os pescadores regressam a casa. Embora o foco tenda a ser os pescadores, as mulheres sentem-se mais confortáveis a trabalhar em ambientes próximos da costa, como mangais, ervas marinhas e lodaçais, pois podem facilmente responder aos problemas em casa.

Este projecto com povos indígenas começou quando as mulheres manifestaram o seu interesse em gerir elas próprias o recurso devido à disponibilidade cada vez menor de bivalves e moluscos. Trabalhamos em conjunto com o Programa USAID FISH Right, onde a PFPI atua como principal implementadora no Grupo das Ilhas Calamianes. Esta colaboração levou ao estabelecimento da primeira área costeira gerida por mulheres indígenas, com o objetivo de salvaguardar os bivalves e o habitat associado que sustenta a sua alimentação e subsistência. Desde então, a iniciativa expandiu-se e agora temos 11 áreas geridas por mulheres nos locais do nosso programa.

Além do nosso trabalho de conservação com as mulheres, a PFPI facilitou a formação de uma rede de género que aborda várias questões, incluindo saúde, segurança alimentar, necessidades não satisfeitas de planeamento familiar e os desafios enfrentados por famílias maiores ao lidar com questões como as alterações climáticas e a redução da pesca. recursos.

Outra prática inovadora dentro da nossa organização foi inspirada na tradição familiar de um membro da equipe. Seu pai, dentista e ambientalista, tinha uma tradição única de plantar uma árvore toda vez que nascia uma criança na família. Adotamos essa prática em nossos programas. As mulheres nas nossas áreas programáticas protegem áreas designadas onde cada família, após o nascimento de uma criança, planta uma árvore. Esta prática permite-nos monitorizar fisicamente o número de crianças nascidas na área, ao mesmo tempo que incutimos os valores da mordomia desde muito cedo. Simboliza a vida, a saúde e a conservação, e nos referimos a ele como um “mangue gêmeo”. Esta prática é um exemplo de como incorporamos naturalmente as perspectivas da saúde e da dinâmica populacional nos nossos projectos de pesca existentes.

Quais são algumas das realizações da PFPI ao longo dos anos das quais você mais se orgulha?

Uma conquista que se destaca é o projeto pioneiro na gestão integrada da população e dos recursos costeiros. Este projecto lançou as bases para abordagens integradas, não só dentro do país, mas também noutras regiões. As lições e estratégias que desenvolvemos durante este projeto continuaram a orientar o nosso trabalho e despertaram o interesse de mais projetos, países e setores. Inicialmente planejado como um projeto de sete anos, acabou durando muito mais tempo do que o previsto devido à sua importância. Através deste esforço, temos visto um maior entusiasmo e envolvimento com abordagens integradas em diversas áreas.

Quais são algumas lições importantes que você aprendeu através de suas experiências no trabalho intersetorial?

Um grande desafio são os sistemas de financiamento e programação que podem limitar a integração intersectorial. Influenciar os processos de planeamento, orçamentação e operacionais para considerar as ligações sectoriais e a integração intersectorial continua a ser um desafio. No entanto, a abordagem ESP aborda eficazmente estes desafios, mas requer advocacia e acção contínuas para implementar soluções intersectoriais.

Outro desafio é a necessidade de construir uma comunidade de práticas e defensores da EPS de vários sectores. O desenvolvimento de uma liderança intergeracional que aproveite os pontos fortes dos diferentes sectores é crucial para um trabalho intersectorial eficaz.

Além disso, a integração dos sectores deve considerar um equilíbrio entre abordagens baseadas em evidências e medidas práticas que se alinhem com o modo de vida da comunidade. Essa integração é ciência e arte.

A adaptação e a flexibilidade nas abordagens também são vitais, especialmente no contexto da pandemia de COVID-19 e das alterações climáticas. Aprendemos que precisamos de ser receptivos e adaptar-nos às novas circunstâncias, mantendo ao mesmo tempo o foco no bem-estar das comunidades.

Finalmente, gostaria de destacar a próxima conferência PHE organizada pela rede PHE nas Filipinas, em Outubro deste ano. Esta conferência reúne a comunidade de prática de EPS a cada dois anos, proporcionando uma oportunidade de colaboração e aprendizagem mútua. Mesmo durante a pandemia, realizámos com sucesso uma conferência online PHE com mais de uma centena de participantes. A comunidade PHE continua a crescer e a evoluir como uma rede flexível de vários setores, proporcionando oportunidades valiosas de colaboração e aprendizagem.

Kirsten Krueger

Consultor Técnico de Utilização de Pesquisa, FHI 360

Kirsten Krueger é Consultora Técnica de Utilização de Pesquisa do Grupo Global de Saúde, População e Nutrição da FHI 360. Ela é especializada em projetar e conduzir atividades de utilização de evidências em todo o mundo para acelerar a adoção de práticas baseadas em evidências por meio de parcerias estreitas com doadores, pesquisadores e formuladores de políticas de saúde. e gerentes de programa. As suas áreas de especialização incluem planeamento familiar/saúde reprodutiva, acesso comunitário ao planeamento familiar, população, saúde e ambiente, mudança e defesa de políticas e capacitação.

Kiya Myers, MPS

Editor-chefe, Knowledge SUCESSO

Kiya Myers é editora-chefe do site Knowledge SUCCESS. Anteriormente, ela foi editora-chefe de periódicos CHEST no American College of Chest Physicians, onde trabalhou na transição das plataformas de submissão de manuscritos e lançou dois novos periódicos somente on-line. Ela foi editora-chefe assistente da Sociedade Americana de Anestesiologistas, responsável pela edição da coluna “Ciência, Medicina e Anestesiologia” publicada mensalmente na Anesthesiology e por garantir a adesão às políticas de revisão por pares por parte de revisores, editores associados e equipe editorial. Ela facilitou o lançamento bem-sucedido do Blood Podcast em 2020. Atuando como Presidente do Subcomitê de Podcast do Comitê de Desenvolvimento Profissional do Conselho de Editores Científicos, ela gerenciou o lançamento bem-sucedido do CSE SPEAK Podcast em 2021.