Escreva para pesquisar

áudio Em Profundidade Tempo de leitura: 7 minutos

10 anos, 10 lições: Implementando a Lei de Saúde Reprodutiva nas Filipinas


Ouça este artigo

Os defensores e defensores da saúde reprodutiva (RH) nas Filipinas enfrentaram uma dura batalha de 14 anos contra grupos poderosos e fortes oposições para transformar o Lei de Paternidade Responsável e Saúde Reprodutiva de 2012 (Lei da República nº 10.354) em uma lei histórica em dezembro de 2012. Conhecida como Lei RH, ela fornece acesso universal e gratuito a métodos anticoncepcionais modernos, exige educação em saúde reprodutiva apropriada para idade e desenvolvimento em escolas públicas e reconhece a mulher direito à assistência pós-aborto nas Filipinas como parte do direito à saúde reprodutiva.

A promulgação, no entanto, não garantiu sucesso imediato. A lei ainda teve que superar batalhas legais por mais quatro anos (2013 a 2017) – desde a superação de desafios sobre a constitucionalidade de ordens de restrição temporárias sobre contracepção uso - para aqueles que se opunham à implementação de suas regras e regulamentos.

Faça o download do orientar para implementar leis de saúde reprodutiva.  

Em 17 de dezembro de 2022, defensores, defensores e outras partes interessadas do RH se reuniram mais uma vez para marcar o 10º aniversário da Lei RH. Vários funcionários do governo, legisladores e representantes de organizações da sociedade civil relembraram suas lutas, refletindo sobre os desafios e lições uma década após a promulgação da lei e convocando o governo e os principais parceiros para compromissos adicionais no futuro. Houve sucessos notáveis, com o apoio público e a demanda por FP/RH permanecendo forte e com outros projetos de lei relacionados a FP/RH se tornando leis. No entanto, ainda existem desafios, incluindo orçamentos em declínio e encontrar maneiras de integrar a lei nas unidades do governo local. Como disse o ex-Diretor Executivo da Comissão de População e Desenvolvimento (POPCOM), Dr. Juan Antonio Perez III, “Depois da primeira década da Lei RH, ainda há trabalho a fazer”.

Desde a promulgação da Lei de RH em 2012, que lições os defensores e defensores de RH aprenderam? Aqui estão 10 lições de 10 anos de implementação da Lei RH nas Filipinas.

1. Não basta transformar um projeto de RH em lei – é importante dar força a ele.

Dar “dentes” à lei significa garantir que ela tenha regras e regulamentos de implementação claros, apoiados por um orçamento suficiente para levá-la adiante. Também significa ter reuniões conjuntas de supervisão de várias agências e partes interessadas para monitorar consistentemente sua implementação e mobilização de recursos.

“Não se trata apenas de elaborar um projeto de lei, legislar e transformá-lo em lei. O mais importante é implementá-lo”, enfatizou a ex-secretária do Departamento de Saúde (DOH) e agora representante do 1º distrito de Iloilo, Janette Garin.

2. Uma lei de RH não é nada sem um financiamento consistente e adequado.

Os líderes governamentais, tanto a nível nacional como local, podem apoiar verbalmente uma lei, mas é necessário que haja financiamento para a sua implementação. O governo nacional deve dar instruções claras ao Ministério do Orçamento ou Finanças para alocar, anualmente, o financiamento adequado para a lei e, se possível, criar um plano plurianual de implementação orçado para iniciativas de PF/SR. No nível do governo local, certifique-se de que a implementação do programa de PF/RH seja incluída nos planos orçamentários anuais.

Walden Bello, um dos principais patrocinadores do Projeto de RH das Filipinas, também compartilhou seus pensamentos sobre isso: “Um passo importante para resolver a questão do financiamento seria a implementação da lei ser designada pelo Congresso como uma 'preocupação médica prioritária', que daria direito ao nível de financiamento que tal designação exige”.

3. Gastar sabiamente o orçamento alocado para PF/RH fornece evidências indiscutíveis para continuar financiando e implementando a lei.

Gastar a maior porcentagem do orçamento do governo alocado para PF/SR em serviços, não em custos administrativos. Na maioria das vezes, o governo gasta uma grande parte do orçamento do programa PF/SR em treinamento e seminários e menos na aquisição de produtos básicos ou na melhoria dos serviços. Os gastos com questões administrativas são necessários, mas um programa de PF/RH não deve ser de natureza puramente administrativa porque as pessoas também precisam de apoio e serviços – ambos componentes essenciais.

De acordo com o ex-Secretário do DOH Garin, “Se o orçamento for gasto principalmente em custos administrativos e não houver serviços prestados, com certeza, será uma grande pedra contra a lei... Corrigi as coisas para que o orçamento para saúde reprodutiva seja realmente gasto nas pessoas. É por isso que, quando a lei foi questionada no Supremo Tribunal Federal, não tivemos dificuldade em mostrar que 'aqui estamos, já implementando a lei que vai transcender de fato aos serviços para mulheres'”.

The author (Grace Gayoso Pasion) with Congressman Edcel Lagman, one of the primary authors and a staunch advocate of the RH Law in the Philippines. Photo courtesy of Grace Gayoso Pasion.
A autora (Grace Gayoso Pasion) com o congressista Edcel Lagman, um dos principais autores e um ferrenho defensor da Lei RH nas Filipinas. Foto cortesia de Grace Gayoso Pasion.

4. A vontade política é fundamental e inestimável para uma implementação bem-sucedida.

Por mais clichê que possa parecer, é a vontade política que impulsiona os líderes do governo a encontrar maneiras de financiar e acelerar a implementação em suas respectivas jurisdições. A vontade política leva os líderes a comprar e distribuir contraceptivos, a fornecer serviços abrangentes de FP/SR e a implementar programas abrangentes de educação em sexualidade (CSE), apesar da oposição de grupos influentes anti-RH nos níveis nacional e local.

“Os governos locais têm acesso aos recursos. É realmente uma questão de priorizar…Temos um orçamento muito pequeno em nossa cidade, mas se você sabe que precisa colocar seu coração e seus fundos onde deve estar, é possível”, compartilhou a prefeita da cidade de Isabela, Djalia Hataman, de Basilan, uma província na parte mais ao sul das Filipinas.

Mais importante ainda, as principais agências de implementação, como o Ministério da Saúde, devem estar na vanguarda de ter a vontade política de defender fundos suficientes, fornecer apoio e fazer cumprir a lei de RH.

5. Mobilizar os órgãos governamentais mais relevantes para a implementação da lei.

Parece lógico e fácil de entender, mas a importância da relevância às vezes é negligenciada. Além do Ministério da Saúde, determine qual agência governamental está em melhor posição para implementar a lei. Envolver a agência com foco em população e desenvolvimento. Envolver o órgão responsável pela destinação orçamentária da lei de RH. Trabalhar com o Ministério da Educação para integrar a CSE no currículo básico. Mais importante, certifique-se de que a lei e suas regras e regulamentos de implementação estabeleçam claramente as funções e responsabilidades dessas agências governamentais relevantes.

Various booths manned by several non-government organizations during the RH Law 10th year anniversary event offering different RH products from publications and advocacy stickers to lubricants and condoms. Photo courtesy of Grace Gayoso Pasion.
Vários estandes administrados por diversas organizações não governamentais durante o evento de aniversário de 10 anos da Lei RH oferecendo diferentes produtos RH, desde publicações e adesivos de defesa até lubrificantes e preservativos. Foto cortesia de Grace Gayoso Pasion.

6. Em uma forma de governo descentralizada, o poder está com os líderes do governo local. Faça deles seus aliados.

A devolução do sistema de saúde nas Filipinas coloca o poder e o dinheiro para implementar a Lei RH nas mãos dos executivos locais. Os defensores os ajudaram a se tornar aliados, apoiando-os regularmente e educando-os sobre como priorizar PF/RH é um uso eficaz de recursos escassos que, em última análise, se traduz em economia de custos de materiais, que podem ser reinvestidos em outros setores prioritários.

Como o prefeito Hataman compartilhou: “Foi Likhaan* quem me moldou para ser quem eu sou agora. Eles me apresentaram a saúde reprodutiva e foi minha experiência trabalhando em SR que me desenvolveu sobre como priorizar e operar programas de PF/SR em minha cidade.” (*Likhaan é uma organização não governamental e sem fins lucrativos nas Filipinas estabelecida em 1995 para atender às necessidades de saúde sexual e reprodutiva de mulheres em situação de pobreza.)

Consequentemente, sua cidade é a única unidade do governo local na Região Autônoma de Bangsamoro, no sul das Filipinas, na região de Mindanao Muçulmano (BARMM) que reduziu suas taxas de gravidez na adolescência.

Outra forma de tornar o governo local um aliado é facilitar e simplificar a implementação da lei de RH e a integração das atividades de PF/SR em seus planos de desenvolvimento. Como disse o Comitê de População e Desenvolvimento dos Legisladores das Filipinas (PLCPD), “a integração e simplificação das atividades de RH em um conjunto abrangente de serviços que as unidades do governo local podem adotar… é crucial, dada a… devolução da governança”.

7. Educar incansavelmente os governos nacionais e locais sobre a relação custo-benefício do financiamento e implementação de iniciativas de PF/RH.

Os defensores e defensores da SR devem sensibilizar continuamente o governo nacional, especialmente os gestores econômicos, para a ideia de que a prestação de serviços de PF/SR é uma das formas mais eficazes de desenvolver um país.

De acordo com o Dr. Ernesto Pernia, ex-secretário da Autoridade Nacional de Desenvolvimento Econômico das Filipinas (NEDA), o comércio internacional e a prestação de serviços de FP/RH são as formas mais importantes de impulsionar o desenvolvimento de um país. No entanto, o primeiro depende de fatores externos, enquanto o último está sob o controle da liderança local.

Além disso, o congressista Edcel Lagman, um dos principais autores e um ferrenho defensor da Lei de RH, enfatizou que os defensores da RH devem continuamente fazer com que os líderes do governo entendam que mais orçamento para RH significa mais economia em saúde: “Deveríamos ser capazes de dizer ao governo que quando estamos orçamentando projetos de infraestrutura, os beneficiários são menores. Deveríamos ser capazes de dar um orçamento adequado para RH, que requer um orçamento menor, mas tem beneficiários ilimitados... isso é muito importante para alcançar o desenvolvimento humano sustentável. O governo não vê isso. Acho que o governo deveria ser capaz de saber disso e isso deveria vir para nós.”

8. Use o sentimento público a seu favor.

Em vez de simplesmente entrar em conflito com a oposição inflexível durante os debates de horas sobre a aprovação do projeto de RH que aconteciam no plenário do Congresso, os defensores trouxeram a questão ao público. Legisladores e ativistas nas Filipinas se reuniram e aprenderam uns com os outros sobre as melhores maneiras de aumentar a atenção popular para esta legislação histórica. Uma vez que a consciência do público foi levantada, o apoio à questão aumentou, pressionando ainda mais o governo e a oposição.

A senadora Pia Cayetano, uma das proponentes do projeto de lei de RH, disse: “Uma forte vontade política e uma parceria sólida com a sociedade civil são vitais para impulsionar uma legislação progressista”.

9. Saiba quem é a seu favor e contra você.

Trabalhe com aqueles que são para você: torne-os seus aliados, aprendam uns com os outros, compartilhem recursos e criem estratégias juntos para avançar. Não subestime a oposição. Eles sempre encontrarão brechas para subverter a nova lei. Conheça-os bem. Esteja sempre preparado fazendo pesquisas e criando argumentos sólidos e baseados em evidências a favor de sua posição. Apresente sua posição a legisladores dispostos a ouvir, não a uma oposição dogmática e inflexível. No caso das Filipinas, a oposição mais desafiadora é a hierarquia católica e seus substitutos no Congresso.

A professora da Universidade Ateneo de Manila, Mary Racelis, compartilhou: “Os legisladores nunca lerão um [documento] de 17 páginas, então reunimos uma declaração de declaração de quatro páginas enviada ao Congresso… Nunca precisamos influenciar os bispos, eles não nos ouviriam de qualquer maneira .”

10. Um movimento de RD forte, determinado e persistente, composto por diferentes setores, é fundamental para avançar e sustentar os ganhos da implementação da lei de RD.

O projeto de lei de RH tornou-se uma lei por causa do vibrante e dedicado movimento de RH – composto por defensores e defensores de base, organizações da sociedade civil, organizações não governamentais, academia e setor privado – que se uniram para garantir sua plena implementação após longo anos de dura batalha. Somando-se à força do movimento está o apoio de defensores dedicados, apaixonados e comprometidos nos ramos executivo e legislativo do governo. O apoio ardente do ex-presidente Noynoy Aquino foi fundamental na promulgação da lei.

De acordo com o ex-diretor executivo do POPCOM, Perez, as iniciativas de FP/RH tiveram sucesso em aumentar o uso de planejamento familiar de 4 milhões de usuários do PF moderno em 2013 para 7,9 milhões de usuários em 2021, mesmo com orçamentos reduzidos para a implementação da lei de RH. Essa melhoria se deve à dedicação dos profissionais de saúde, voluntários, trabalhadores da população, parceiros do governo local e parceiros da sociedade civil que permaneceram comprometidos com o trabalho de RH, apesar desses desafios.

“Não é apenas uma luta de um grupo, é preciso ajudar uns aos outros… esforços persistentes e consistentes são necessários para chegar onde queremos”, disse a advogada Elizabeth Aguiling-Pangalangan, diretora do Instituto de Direitos Humanos da Universidade do Centro Jurídico das Filipinas.

The author (Grace Gayoso Pasion) at the RH Law @ 10 photo booth, where visitors could express their thoughts and sentiments on the implementation of the RH Law. Photo courtesy of Grace Gayoso Pasion.
A autora (Grace Gayoso Pasion) na cabine de fotos RH Law @ 10, onde os visitantes puderam expressar suas opiniões e sentimentos sobre a implementação da Lei RH. Foto cortesia de Grace Gayoso Pasion.

Já se passou uma década desde a promulgação da Lei de RH. É uma grande vitória que traz cuidados de saúde de alta qualidade para pessoas que menstruam e teve um impacto positivo para milhões de indivíduos e famílias nas Filipinas. É uma conquista significativa também para os legisladores. No entanto, o trabalho continua para os defensores e defensores da RH que buscam proteger e promover a saúde e os direitos reprodutivos das mulheres nas Filipinas.

Graça Gayoso Pasion

Diretor Regional de Gestão do Conhecimento, Ásia, Johns Hopkins Center for Communication Programs

Grace Gayoso-Pasion é atualmente a Oficial de Gerenciamento de Conhecimento Regional (KM) da Ásia para o Knowledge SUCCESS no Johns Hopkins Center for Communications Program. Mais conhecida como Gayo, ela é uma profissional de comunicação de desenvolvimento com quase duas décadas de experiência em comunicação, oratória, comunicação para mudança de comportamento, treinamento e desenvolvimento e gestão do conhecimento. Passando a maior parte de sua carreira no setor sem fins lucrativos, especificamente no campo da saúde pública, ela trabalhou na desafiadora tarefa de ensinar conceitos médicos e de saúde complexos para pobres urbanos e rurais nas Filipinas, a maioria dos quais nunca concluiu o ensino fundamental ou médio. Ela é uma defensora de longa data da simplicidade ao falar e escrever. Depois de concluir sua pós-graduação em comunicações pela Nanyang Technological University (NTU) em Cingapura como bolsista da ASEAN, ela trabalhou em KM regional e funções de comunicação para organizações internacionais de desenvolvimento, ajudando vários países asiáticos a melhorar suas habilidades de comunicação e KM em saúde. Ela mora nas Filipinas.