Escreva para pesquisar

Q&UMA Tempo de leitura: 13 minutos

Avançando o autocuidado no Senegal


Dans le contexte de la pandémie de Covid, O autocuidado surgiu como uma abordagem prática e importante para reduzir a pressão sobre os sistemas de saúde sobrecarregados, de réduire les inégalités d’accès à la santé et d’améliorer les résultats en matière de santé, en particulier pour les plus vulnérables. Promouvoir l’autosoin à travers un fort engagement des différentes parties prenantes de la santé, y compris le secteur privé et public peut se révéler fructueux au Sénégal. E, un accompagnement adéquat à la pratique de l’autosoin peut aider les gens à gérer leur propre santé et permettre aux systèmes d’être mieux équipés pour atteindre la couverture sanitaire universelle (CMU).

Existant déjà au Sénégal, les interventions d’autosoins sont devenues un réel centre d’intérêt en réponse à la directive de l’Organisation mondiale de la santé (OMS) sur les interventions d’autosoins pour la santé et le bien-être.

A hand holds the Sayana Press injectable.

Sayana Press. Crédit: Gabe Bienczycki/PATH.

Le Sénégal est l’un des pays qui montre la voie à suivre en Afrique francophone, à travers la création d’un groupe des pionniers l’autosoin dont certains membres se sont penchés sur l’avancement et les perspectives de la pratique d’autosoin au Sénégal. Aussi, de juillet 2014 à juin 2016 inclus, le Sénégal a été l’un des 4 premiers pays où il y a eu l’introduction pilote du contraceptif injectable sous-cutané Sayana Press, aux côtés du Niger, du Burkina Faso et de l’Uganda. Une ouverture d’esprit du gouvernement et une volonté politique qui a positionné le pays comme leader à l’époque.

Qu’est-ce que l’autosoin dans le contexte des soins de santé, et plus particulièrement de la Santé sexuelle et reproductive ? S’agit-il d’un concept nouveau et différent de ce que les individus connaissent et ont pratiqué au fil des années ?

Aïssata Fall, Représentante régionale Afrique de l’Ouest et Centrale, PRB : L’autosoin allie le fait de comprendre quand et comment prendre soin de soi, quand avoir recours à un professionnel. Isso deve poder variar de acordo com a maneira como a pessoa se sente capaz de fazê-lo., ou nosso nível de confiança em nosso próprio julgamento, do tempo da nossa vida. Então, tudo depende do nosso nível de conhecimento para compreender os determinantes da nossa boa saúde. Trata-se principalmente de entender que o autocuidado não é apenas curativo, mas tem a ver com a manutenção de nossa boa saúde. ; que prevenir não é evitar doenças, mas sim manter o equilíbrio necessário para o bom funcionamento do nosso organismo, e que não depende só de drogas, mas acima de tudo um estilo de vida saudável, Boa nutrição, etc.

Prevenção, en matière de Santé Sexuelle et Reproductive (SSR) n’est pas seulement la prévention des grossesses ou des maladies sexuelles, mais commence par la connaissance et la compréhension de la sexualité, de notre corps et de son fonctionnement pour savoir repérer les déséquilibres et alors intervenir, seul ou avec un professionnel.

Finalmente, l’autosoin signifie avoir suffisamment de connaissances pour pouvoir s’interroger et questionner sur les traitements médicamenteux ou les solutions médicales fournis : comprendre comment fonctionnent le ou les médicaments prescrits, les effets secondaires, choisir de manière éclairée entre les options proposées afin d’essayer celle qui convient le mieux à un corps que l’on connaît ; être capable d’expliquer aux professionnels de santé les réactions de notre corps à un stress connu ou à un médicament, savoir expliquer nos antécédents pour que la connaissance de nos corps soit un allié pour le médecin qui nous soigne.

Pr Issa Wone, directeur de l’association des professionels de la santé : Je comprends l’autosoin comme la promotion de l’autonomie par rapport à la dispensation, aux niveaux individuel, familial ou communautaire, de techniques de soins adéquates et bénéfiques, sans qu’il n’y ait nécessairement la présence d’un agent de santé.

L’autosoin, en tant que tel, n’est pas un concept nouveau en médecine et santé. L’idéal médical est, depuis toujours, de rendre le patient autonome.

Dra Marème Mady Dia Ndiaye, Cheffe de la Division PF, ministère de la Santé : La pratique de l’autosoin n’est pas du tout nouvelle. Ce qui est différent aujourd’hui, c’est l’encadrement de l’autosoin par rapport aux populations sinon ça devient de l’automédication. E, il faut reconnaître que l’autosoin est en partie une automédication mais, une automédication supervisée.

“L’autosoin, en tant que tel, n’est pas un concept nouveau en médecine et santé. L’idéal médical est, depuis toujours, de rendre le patient autonome.”

Pr Issa Wone, ministère de la Santé et de l’Action sociale

En 2019, l’OMS a lancé les Directives consolidées pour les interventions d’autosoins en matière de DSSR. Tout récemment, en juin 2021, l’OMS a publié la version révisée 2.1 de ces directives . Comment le Sénégal s’appuie-t-il sur ce cadre mondial pour faire progresser les autosoins au niveau national ?

Dr Marème: Nous faisons comme à l’accoutumée. Nous avons des séances pour l’adaptation de ces directives au contexte du Sénégal, de façon consensuelle. Cela dit, en impliquant toutes les parties prenantes, notamment les directions, les partenaires de mise en œuvre, etc.

Ida Rose Ndione, Chargée de Programme Senior, PATH Sénégal : Le Sénégal s’est très rapidement intéressé à l’autosoin et a très tôt pris l’option d’avoir une vision intégrée et large de l’autosoin. Pour le Sénégal, cette version révisée des directives de l’OMS vient plutôt conforter sa vision holistique de l’autosoin. Ce document cadre de l’OMS a été une opportunité pour le Sénégal d’entamer une réflexion pour harmoniser les interventions d’autosoin déjà existantes.

Quelles sont les interventions d’autosoin de la santé sexuelle et reproductive qui ont été proposées ou sur lesquelles se concentre le guide du Sénégal pour une mise à l’échelle ?

Ida Rose Ndione : Le guide de l’autosoin développé au Sénégal comprend plusieurs interventions en Santé Sexuelle et Reproductive comme le DMPA SC en auto-injection, il y a également les tests de fertilité par exemple qui ont un fort intérêt pour les femmes. A cela s’ajoute un certain nombre de conseil sur le bien-être de la femme enceinte et allaitante.

Y en a-t-il qui bénéficient déjà du soutien des parties prenantes et/ou du public ?

Ida Rose Ndione : Des interventions d’autosoin ne sont pas nouvelles au Sénégal, ce qui est nouveau c’est de les harmoniser et les regrouper dans un seul programme. Neste sentido, il y a des partenaires qui soutiennent déjà le ministère de la Santé et de l’Action sociale (MSAS) en ce sens comme PATH avec le DMPA SC, ou encore Pop Council pour l’anneau vaginal… et l’autotest du VIH avec SOLTHIS.

Comment les jeunes perçoivent-ils l’autosoin au Sénégal ?

Aïcha Kanté, Présidente Jeunes Ambassadeurs SR/PF : Bien que l’autosoin soit pratiqué depuis des années au Sénégal, de nouveaux outils, produits et services médicaux et numériques améliorent la capacité des jeunes à évaluer et à gérer leurs propres besoins en matière de santé. Em vigor, avec une population dominée par la jeunesse et devant la multiplicité et la complexité des problèmes de santé, l’autosoin se présente aujourd’hui comme une stratégie sûre et prometteuse pour assurer aux jeunes une prévention, une prise en charge précoce, efficiente et appropriée de leurs problèmes de santé, en utilisant des outils appropriés.

A team member from the mobile clinical outreach team at Marie Stopes International, a specialized sexual reproductive health and family planning organization on a site visit to Laniar health center, a rural area. She speaks to a woman, offering her sexual reproductive health services and counseling, including the full range of family planning options, emergency contraception, pre- and post natal care, and cervical cancer screening and treatment.

Crédit : Jonathan Torgovnik / Getty Images / Images de l’autonomisation.

Plusieurs formes de communication sont utilisées pour aider les jeunes à acquérir les habiletés nécessaires pour la gestion de leur condition de santé. À ce titre, il y a des sites Internet spécialisés ou non, des brochures et dépliants, des livres de référence, l’utilisation d’un carnet de santé, des outils interactifs, des rencontres individuelles ou de groupe, des enseignements théoriques et pratiques, des ateliers, etc.

Dans la société Africaine, il y a beaucoup de sujets tabous notamment dans celle sénégalaise. Les recherches suggèrent qu’ils se tournent plus facilement vers des sources d’aide informelles, comme la famille ou les amis. Dans cette optique, l’autosoin peuvent apparaître comme des interventions moins invasives, moins formelles, facilitant ainsi l’obtention de l’aide.

Quelle est l’importance de l’autosoin chez les jeunes et comment le pratiquent-ils dans le cadre de leur santé sexuelle et reproductive ?

Aïcha Kanté : Les indicateurs de Santé et Droits Sexuels Reproductifs (SDSR) constituent des paramètres à partir desquels il est possible d’appréhender la nature et le niveau des préoccupations en santé sexuelle et de la reproduction (SSR) d’un pays. Les travaux de Kähler & al. (2017) ont rapporté une nouvelle approche de SDSR développées en Europe et qui sont transposables dans les pays en développement. Cette approche met l’accent sur l’analyse de près des catégories spécifiques de services de SSR, à partir du principe : Disponibilité, Accessibilité, Acceptabilité et Qualité des services SSR. Il convient de souligner que l’examen des documents produits au Sénégal et dans la sous-région ne permet pas toujours d’apprécier la SDSR dans les aspects précédemment évoqués.

De manière spécifique, parmi les initiatives d’autosoin en cours au Sénégal et importantes pour les jeunes, on peut citer :

  • L’éducation sanitaire et la supplémentation des femmes enceintes en micronutriments
  • L’utilisation de méthodes de planification familiale comme les préservatifs féminins et masculins, les méthodes de PF naturelles, la prise de contraceptifs oraux, l’auto-injection de contraceptifs et l’auto-administration de l’Anneau Vaginal à Progestérone (AVP).

Quels sont les avantages de la promotion de l’autosoin chez les jeunes ?

Aïcha Kanté : La promotion de l’autosoin procure des avantages.

L’autosoin donne aux jeunes une plus grande disponibilité de soins de santé sexuelle et reproductive efficaces. Elle nous permet d’économiser du temps et des efforts, en nous permettant de gérer nous-mêmes de nombreux problèmes de santé de manière pratique et avec succès. Elle permet aux jeunes de répondre à leurs besoins fondamentaux sans les complications et l’effort supplémentaire que représente la consultation d’un médecin.

L’autosoin nous permet également de prendre notre santé et notre bien-être en main, dando-nos a motivação para melhorar a nossa qualidade de vida. É um elemento essencial do bem-estar em todas as fases da vida.

Garante a melhoria da cobertura e acesso aos cuidados mas também a redução de custos para os jovens.

“O autocuidado proporciona aos jovens maior disponibilidade de cuidados eficazes de saúde sexual e reprodutiva … Isso permite que eles atendam às suas necessidades básicas sem as complicações e o esforço extra envolvidos em consultar um médico. … É um componente essencial do bem-estar em todas as fases da vida. Garante melhor cobertura e melhor acesso aos cuidados, mas também reduz custos para os jovens.”

Aïcha Kanté

Se considerarmos que a prática do autocuidado é feita com ou sem o apoio de um profissional de saúde, como podemos garantir alguns dos componentes essenciais dos cuidados de saúde, como a qualidade dos cuidados, o uso adequado e eficaz, continuidade dos cuidados ?

Dra. Amy Vamos Cair, Oficial Médico para a África, Unidade Global de Saúde da Sanofi : Existe um pré-requisito que é o reconhecimento do autocuidado, bem como a sua aceitação, tanto a nível dos prestadores de cuidados como dos beneficiários.. É importante que seja enquadrado, padrão, acompanhado e seguido. Um guia de autocuidado para um país é essencial, mas também padrões e protocolos, bem como folhas práticas de CAT (Comportar-se). Boa comunicação e treinamento são necessários. Integração no sistema de saúde, especialmente ao nível dos cuidados de saúde primários, garantirá cuidados comunitários e a continuidade dos cuidados.

Dr. Seynabou Mbow, Divisão de Doenças Não Transmissíveis, Ministério da Saúde e Acção Social : A prática do autocuidado complementa os cuidados essenciais prestados ao nível das estruturas de saúde. Para garantir a continuidade dos cuidados, o uso adequado e eficaz dos serviços de saúde e a prestação de cuidados de qualidade aos pacientes que se beneficiam do autocuidado, é importante :

  • Proceder corretamente ao anúncio da doença que permitirá assim compreender a patologia, trazer o paciente para fazê-lo aceitar sua doença e assim aderir ao tratamento
  • Definir claramente um plano de cuidados de curto e longo prazo, onde o plano de acompanhamento será descrito,
  • Reforçar a educação terapêutica explicando a importância da prática do autocuidado que complementa as medidas para ter um cuidado de qualidade.

Como você vê o envolvimento do setor privado na promoção e prática do autocuidado no Senegal? ?

Dra. Amy Vamos Cair : O sistema de saúde é composto pelos setores público e privado, coordenado e gerido pelo Ministério da Saúde. As unidades de saúde privadas dependem do distrito onde estão estabelecidas. Esta pergunta não deveria ser feita se as coisas estivessem indo bem. O envolvimento do setor privado é necessário desde o início do processo para que suas especificidades e necessidades sejam integradas. Eles têm a mesma responsabilidade pelo empoderamento de seus pacientes para uma melhor gestão de sua própria saúde e sua participação em seus próprios cuidados.. Os atores do setor privado devem ser treinados para que não haja mal-entendidos sobre o autocuidado porque, eles têm mais obrigação de resultado em relação aos seus pacientes e não devem achar que o autocuidado os fará perder poder em relação aos seus pacientes e até mesmo perder pacientes. Pelo contrário, o paciente aderirá mais aos seus cuidados se se sentir valorizado e fortalecido pelo seu médico.

Ida Rose Ndione : O setor privado é um elo essencial no autocuidado e deve necessariamente estar envolvido. Em contraste, deve-se entender que o autocuidado pode ser uma restrição para o setor privado quando você considera que pode ser um déficit financeiro para eles. E é nesse sentido que devemos garantir a contribuição deles para que o setor privado esteja no movimento..

Como você imagina o sistema obtendo dados sobre autocuidado (por exemplo, usar, percepções e atitudes, etc.) Como o autocuidado pode ser medido ?

Dra. Amy Vamos Cair : Um sistema de relatórios deve ser implementado, com a definição prévia de indicadores tanto para os profissionais de saúde quanto para os usuários, da comunidade, integrando uma pesquisa sócio-antropológica qualitativa para medir percepções e atitudes. Sugiro que seja feito um piloto em um distrito e depois ampliado. Uma pesquisa CAP (Conhecimento, Atitudes, Prática) antes e depois da cirurgia também seria muito apropriado.

Aïssata Fall : As pesquisas DHS podem ter um módulo de “autocuidado” ? Mas devemos definir claramente as diferenças entre autocuidado e automedicação para garantir que os indicadores respondam à pergunta certa..

Essas definições só devem ser construídas na esfera médica. A experiência do HIV/AIDS na desmedicalização deve ser usado para entender melhor como as coletas de dados podem ser abordadas.

Isso não é para replicar o que está sendo feito no setor de HIV, mas para analisar o que funcionou, o que pode ser usado.

Uma mulher a passar pelo Programa de Capacitação Comunitária da TOSTAN. Ela fica em frente a um quadro que ensina as mulheres participantes sobre seu direito à saúde e seu direito de estar livre de todas as formas de violência, sobre higiene, e como as doenças são transmitidas e evitadas.

Crédit : Jonathan Torgovnik / Getty Images / Images de l’autonomisation.

Não há uma resposta uniforme porque, não há e eu dirigi. As intervenções variam conforme sejam preventivas ou curativas., dependendo da doença, dependendo se queremos falar de higiene e saúde pública (prevenção da obesidade, hipertensão…).

Temos experiências de sucesso no Senegal (HIV, Diabetes, HT) para ser usado para desenhar modelos.

Não se trata de medir a implementação das recomendações da OMS, mas entender o autocuidado onde ele acontece, ao nível do indivíduo, no contexto de seus fatores socioculturais. Carro, autocuidado é mudar as normas sociais.

A análise das intervenções de saúde nas diferentes unidades de saúde é uma fonte valiosa : quais casos poderiam ter sido gerenciados pelo próprio indivíduo se ele tivesse as informações corretas sobre sua saúde ? Que tipos de intervenções estão realmente sobrecarregando os sistemas de saúde ? Quem são os "despachantes" e como, na realidade, distribuição de pacientes ?

Pr Issa Wone : Na minha opinião, o autocuidado deve ser medido qualitativamente, e não quantitativo, correndo o risco de “padronizar”. Poderíamos, por exemplo, desenvolver métodos etnográficos como a observação participante, apreciar as práticas de autocuidado no nível individual, famílias e comunidade.

Qual é a sua visão de sucesso para o autocuidado ?

Aïssata Fall : Elemento crucial para melhorar o desempenho de nossos sistemas de saúde falidos, oferece a oportunidade de colocar o usuário no centro da reflexão e implementar a abordagem centrada no ser humano para a saúde.

Definir e melhorar o autocuidado deve ser feito com os atores do sistema de saúde no primeiro nível de “filtragem”, onde é decidido se um indivíduo pode ser tratado / administrar sua saúde por conta própria ou se precisar – e pode ser o próprio indivíduo quem decide se tem capacidade. Esses atores do sistema de saúde incluem o usuário de saúde como um parceiro pleno.

O sucesso do autocuidado assenta na educação para a saúde que deve fazer parte dos valores transmitidos no seio das famílias.. Educação para conhecer seu corpo e suas necessidades, conheça seus direitos a saúde, uma escolha ; educação para compreender a oferta de saúde e o direito à informação. Educação dos provedores para entender melhor que o autocuidado não os enfraquece, mas os ajuda a cumprir melhor sua missão.

Dra. Amy Vamos Cair : Conhecimento, responsabilização e compromisso de todos os cidadãos para preservar a sua saúde. Aussi, um sistema de saúde aliviado, jogar fora, enriquecido pela integração do autocuidado em sua política.

Dr. Seynabou Mbow : Para que o autocuidado seja um sucesso, é importante treinar os profissionais de saúde em autocuidado, orientar as associações de doentes de forma a apoiar os doentes, mas também tornar acessíveis tecnologias essenciais para a prática do autocuidado.

Ida Rose Ndione : Uma visão holística do autocuidado que permita, por um lado, o empoderamento das populações, mas também que o sistema de saúde possa beneficiar das vantagens do autocuidado, por outro, usar o tempo economizado para treinar profissionais de saúde.

quais desafios / lições / boas práticas que você observou no processo de promoção de intervenções de autocuidado em nível nacional, usando DMPA-SC como exemplo ?

Dr Marème : Fizemos tudo sobre DMPA SC mesmo antes da auto-injeção e, em seguida, um plano de expansão foi implementado. Mais, temos um problema de financiamento. A expansão requer treinamento versus aconselhamento, para que os prestadores de serviços o integrem na sua prática diária. Isso não é feito de forma sistemática porque, por vezes, verificamos durante a supervisão que o manequim para demonstração e aprendizado para a cliente não está disponível na exibição dos métodos contraceptivos utilizados durante o aconselhamento inicial.. Há também uma lacuna na cobertura abrangente e harmonizada da autoinjeção de DMPA-SC no país. ; escala continua lentamente com as oportunidades oferecidas por parceiros técnicos e financeiros. O Senegal é pioneiro no uso de DMPA, mas, revisão de dados de rotina (DIS2) mostrar que não está progredindo como esperado. É preciso dizer que o objetivo não era colocar todas as mulheres na IA, mas dar oportunidade a quem quisesse.. Por outro lado, é uma boa estratégia na medida em que contribui para o empoderamento das mulheres. Eles têm tempo para se dedicar à família e às atividades geradoras de renda. além do que, além do mais, auto-injeção cresce você na comunidade, Isso aumenta sua autoconfiança de certa forma..

“Isso não é feito de forma sistemática porque às vezes verificamos durante a supervisão que o manequim para demonstração e aprendizado para a cliente não está disponível na exibição dos métodos contraceptivos utilizados durante o aconselhamento inicial.”

Dra Marème Mady Dia Ndiaye, Cheffe de la Division PF, ministère de la Santé

Como pretende assegurar a promoção do autocuidado no Senegal e a sua ancoragem no sistema de saúde ?

Ida Rose Ndione : O passo importante em termos de promoção é, assim que o guia estiver finalizado, poder divulgá-lo a todos os parceiros, da sociedade civil... A sua ancoragem no sistema de saúde deve ser assegurada pelo empenho das várias componentes dos ministérios e é o que acontece hoje quando vemos que a portagem se faz ao nível da direcção geral da saúde. A promoção é assegurada por organizações da sociedade civil como a Rede de Mulheres Senegalesas para a Promoção do Planeamento Familiar (REFESPF) no grupo de pioneiros.

Ilustração de mãos segurando um injetável
Aïssatou Thioye

Responsável pela Gestão do Conhecimento e Parcerias da África Ocidental, Conhecimento SUCESSO, FHI 360

Aïssatou Thioye está na divisão de uso de pesquisa, dentro do GHPN do FHI360 e trabalha para o projeto Knowledge SUCCESS como Gestor de Gestão de Conhecimento e Parceria para a África Ocidental. Em seu papel, apoia o fortalecimento da gestão do conhecimento na região, definir prioridades e conceber estratégias de gestão do conhecimento para grupos de trabalho e parceiros técnicos de PF/SR na África Ocidental. Ela também se relaciona com parceiros e redes regionais.. De sua experiência, Aïssatou trabalhou por mais de 10 anos como jornalista, editor-consultor por dois anos, antes de ingressar na JSI, onde trabalhou em dois projetos de Agricultura e Nutrição, sucessivamente como oficial de mídia de massa e depois especialista em Gestão do Conhecimento.*******Aïssatou Thioye está na Divisão de Utilização de Pesquisa do GHPN da FHI 360 e trabalha para o projeto Knowledge SUCCESS como Responsável pela Gestão do Conhecimento e Parcerias para a África Ocidental. Em seu papel, ela apoia o fortalecimento da gestão do conhecimento na região, definir prioridades e desenhar estratégias de gestão do conhecimento nos grupos de trabalho técnicos e parceiros de FP/RH na África Ocidental. Ela também se relaciona com parceiros e redes regionais. Em relação à sua experiência, Aïssatou trabalhou por mais de 10 anos como jornalista, depois como editor-consultor por dois anos, antes de ingressar na JSI, onde trabalhou em dois projetos de Agricultura e Nutrição, sucessivamente como oficial de mídia de massa e depois como especialista em Gestão do Conhecimento.

Farmata Seye

Associado do Programa, CAMINHO

Farmata Seye é um Associado do Programa que apoia o trabalho da PATH em Autocuidado, Projetos de Saúde Sexual e Reprodutiva e Doenças Não Transmissíveis. Fornece suporte técnico ao Ministério da Saúde para a coordenação do grupo Pioneiros do Autocuidado e para a elaboração de Diretrizes Nacionais.. Tem um Mestrado em Gestão de Projetos e contribui para as atividades de monitorização e avaliação, análises documentais, defesa da saúde. Ela apoiou treinamento e garantia de qualidade de dados para uma avaliação piloto do e-learning DMPA-SC, implantado pelo Ministério da Saúde do Senegal, no primeiro ano de COVID-19. Ela apoiou sessões de capacitação, atividades de comunicação, facilitação de oficinas virtuais e presenciais. A Farmata também é certificada em Pesquisa Biomédica pelo programa CITI (Iniciativa de treinamento institucional colaborativo).

3.5K Visualizações
Compartilhar via
Link de cópia
Distribuído por Snap Social